quarta-feira, 20 de julho de 2011

Saúde infantil: emergência médica

Passamos um aperto em casa na semana passada.
O Guilherme deu febre de 40º, calafrio, antitérmico via oral ele colocava para fora... Enfim um susto daqueles. Não tinha passado por isso, nem de perto, com o Matheus. Era uma virose: Adenovírus. Que acarreta em febre, conjuntivite e o estado gripal forte. Era de dar dó...
Depois de ligar para pediatra, ir à emergência, medicação errada, medicação certa... Ele já está muito bem. Graças a Deus!

Essa semana recebi o e-mail do Bebe.com.br e achei interessante postar aqui.

Quando é necessário correr com a criança para o pronto-socorro?

Ter filho significa assumir grandes responsabilidades, o que assusta muito, principalmente quando ele ainda é pequenino e frágil, totalmente dependente dos pais. E as situações mais estressantes são aquelas em que nos deparamos com problemas de saúde. O melhor exemplo é a primeira febre do bebê, geralmente desesperadora. E o impulso é levar a criança para o pronto-socorro diante de qualquer anormalidade.
Com o tempo, a gente aprende que nem sempre a medida é necessária. Mas existem casos em que o bebê deve receber, sim, cuidados médicos o mais rapidamente possível. São as emergências. Conheça aqui as principais.

PS não é consultório
Nem todo problema de saúde caracteriza uma emergência. Por isso, é preciso controlar a ansiedade e saber que não há a necessidade de correr para o hospital com a criança diante de qualquer indisposição. Um fenômeno recente nos pronto-socorros é o horário do rush. Como a maioria das mães trabalha, os convênios de saúde tornaram mais acessíveis as consultas de emergência. Assim, os pediatras de família perdem espaço para o pronto atendimento. A mãe fica sabendo que o filho teve febre na escola e tenta resolver o problema de imediato para evitar problemas maiores no dia seguinte.
Acontece que a doença precisa amadurecer para ser diagnosticada com mais precisão. Ou seja, se a criança tem febre e volta a brincar depois de tomar um antitérmico receitado pelo pediatra dela, não há motivo para grandes preocupações. Provavelmente, trata-se de um problema simples, como uma infecção viral, com um ciclo de três dias e remissão gradual. É preciso observar e esperar, não tem jeito. Levar a criança para um médico que nunca a examinou não é a melhor decisão. Nesse caso, o ideal é ligar para o pediatra que normalmente a atende ou ir ao consultório dele.

Febre: atenção à prostração
A febre em si não significa muita coisa. O importante é observar o estado geral da criança. Há casos em que uma criança com 37,5 °C pode apresentar um quadro mais grave do que outra com 40 °C. A prostração diz mais do que o termômetro nessa hora. Uma criança sem ânimo, pálida e ofegante, mesmo com febre baixa, deve ser motivo de preocupação, principalmente se não reage ao antitérmico. Essa é uma situação em que é recomendável levá-la ao pronto-socorro.
A febre em bebês com menos de 2 meses também exige um pouco mais de atenção. Se a temperatura voltar a subir poucas horas depois de medicá-lo, leve-o ao hospital. Crianças de 3 a 6 meses, com desconforto respiratório e febre, também precisam passar por uma investigação para checar uma eventual bronquiolite. As febres por doenças virais são comuns.
Mas, se a temperatura voltar a subir dois dias depois de a virose regredir, é sinal de alerta. O pequeno pode ter contraído uma infecção mais grave, como otite, sinusite e a própria bronquiolite, e precisa receber cuidados médicos. E atenção: febre com manchas na pele e completa prostração é indício de problemas mais graves, como a meningite, e requer cuidados imediatos.

Tosse: investigue respiração curta e rápida
A tosse é um sintoma de que há algo errado e o corpo da criança está reagindo. Mas, isoladamente, não é motivo para correr ao pronto-socorro. Mais importante do que a tosse é a frequência respiratória. Se ela estiver curta e rápida, aí sim merece ser examinada em um hospital. Sobretudo se seu filho apresentar cansaço e chiado no peito, indícios de uma crise de asma. Nesse caso, o pronto-socorro oferece boas condições de tratamento. Agora, no caso de crianças que estão tossindo há dois, três, quatro dias, a orientação é procurar o pediatra dela.

Vômito: cuidado especial para não desidratar
As golfadas podem ter causas diversas: de intoxicação alimentar a meningite. As mais comuns, porém, são as decorrentes de viroses. Aí não há muito que fazer, senão manter a criança hidratada, oferecendo líquido aos poucos e em pequenas doses. Agora, quando um bebê pequeno, com até 2 meses de vida, vomita em jatos, é possível que ele sofra de uma obstrução gástrica, uma condição não muito rara. Nesse caso, a criança deve ser levada a um PS, principalmente por risco de desidratação. Mas se o vômito é acompanhado de febre, diarréia, dores, prostração e outros sintomas que não sejam de virose, também exige melhor investigação em um hospital devidamente equipado.

Diarréia: sangue é sinal de alerta
A diarréia tem menor poder de desidratação do que o vômito. Mas pode causar problemas se for líquida e obrigar a criança a evacuar várias vezes ao dia, principalmente se tiver menos de 6 meses de vida. Enquanto a criança tiver chorando com lágrimas e salivando, tudo bem, dá para acompanhar a evolução da doença sem a necessidade de correr para o PS.
Em geral, o quadro é de virose mesmo. Agora, diante da presença de sangue nas fezes, o que pode acontecer em forma de borra de café, geléia ou sangue vivo mesmo, aí é preciso levar ao pronto-socorro. O sangue pode ser um sinal de obstrução, infecção ou inflação do intestino.

Bateu a cabeça? Considere a altura e a velocidade da queda
Criança pequena cai e bate a cabeça a toda hora. É inevitável, por isso não há a necessidade de levá-la ao hospital toda vez que isso acontecer. Mas é preciso ficar atento à altura do tombo e à velocidade em que a criança estava no momento do acidente.
Quedas de patamares acima de 1 metro, principalmente se forem amortecidas pela cabeça, exigem maior cuidado. Tombos de bicicleta também pedem mais atenção. Se a criança apresenta vômitos em jato, tontura, sonolência e não fala coisa com coisa, leve imediatamente ao hospital.
Se ela desmaiou ou teve convulsão, também não tem o que pensar: direto para o PS. Uma curiosidade é que os raios X não mostram a gravidade de um trauma na cabeça. O exame que ajuda, de fato, no diagnóstico é a tomografia.

Dor de barriga: avalie a intensidade do sofrimento
Antigamente, dor de barriga era verme. Hoje, normalmente, deve-se à falta de fibra na alimentação por causa de bolachas e macarrões instantâneos. Ou então, alergia à lactose. A intensidade da dor é o principal termômetro para avaliar a gravidade do problema.
A situação normalmente é mais séria quando vem acompanhada de febre, vômito, prostração, abdômen distendido e outras manifestações. Nesses casos, é preciso levar a criança ao pronto-socorro.
Em caso de apendicite, a intervenção tem que ser imediata. É importante investigar, também, se a criança não sofreu um trauma na região abdominal, o que pode ser sério se a dor não passar. É muito comum, por exemplo, bater a barriga no guidão durante quedas de bicicleta.

Dor nas pernas: preocupam quando ocorrem logo cedo
A criança que corre, pula e joga bola o dia inteiro pode ficar com o corpo dolorido depois do banho. É natural, pois os músculos foram muito exigidos. As dores nas pernas devem ser um motivo de preocupação quando acontecem logo pela manhã e chegam a limitar o movimento. E não porque a criança dormiu de mau jeito. Existe a possibilidade de ela apresentar problemas articulares. Quando as dores são localizadas, observe se há febre, se a região emana calor e se o movimento está prejudicado. Ali, pode haver uma inflamação e um médico precisa avaliar. A artrite não é comum, mas pode acometer crianças.

Fontes:pediatra Roberto Tozze, médico do Pronto Socorro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, e pediatra Tadeu Fernando Fernandes, vice-presidente do Departamento de Pediatria Ambulatorial e Cuidados Primários da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

texto retirado de http://bebe.abril.com.br/03_05/saude/emergencia-medica.php


Muita saúde para todos nós!
beijos,
Carol.

3 comentários:

  1. Gostei.

    Uma vez, li um texto de um médico que dizia que o pior lugar para se levar um doente é ao hospital. Na hora, não fez sentido. Logo depois ele explicava que uma pessoa doente (imagina uma criança!) está com o sistema imunológico baleado e, no hospital, há uma concentração incrível de vírus e bactérias. Combinação pior não há.

    O ideal é o médico da família. A pediatra da minha filha separa os pacientes em horários distintos: crianças doentes não costumam cruzar com visitas rotineiras de recém-nascidos. Legal isso, né. ^^

    ResponderExcluir
  2. Oi Cris!
    Mas, é bem isso mesmo.
    Corro de hospital. Matheus tem 3 anos e só foi uma vez. Teve uma virose forte e precisou de soro intravenoso. Era final de semana.
    E agora de novo com o Gui era um sábado...
    Mas, sempre, sempre mesmo, só vou amparada do pediatra via telefone. Só vou quando diz: tem que passar no hospital.
    O pior foi chegar lá e a médica receitar um medicamento uso adulto para um bebê de 11 meses!

    Muito boa essa atitute da pediatra da sua filha.

    Obrigada pela visita de sempre.

    beijos.

    ResponderExcluir
  3. comprei desse site http://www.mercadozets.com.br/ e gostei o site entrega rapido e com nota fiscal e garantia

    tem berço eletronicos celulares tv notebook computador acessorios para carros brinquedos artigos infantis e muito mais

    ... tem mais de 2000 proutos
    ...
    TERMOMETRO INFANTIL

    http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?texto=Term%F4metro&IDCategoria=110
    ... ... ...
    artigos para bebe/infantil
    http://www.mercadozets.com.br/ListaProdutos.asp?idCategoria=110

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário. Obrigada por fazer parte do nosso Blog!

Postagens populares